Portuguese English

Eleições para a Presidência do COI

Sergey Bubka... Será ele o vencedor?

Quando só havia dois nomes (GER e SIN), a eleição parecia vir a ser um 'passeio no parque', a favor do T. Bach... Depois, lá surgiu o D. Oswald mas, na europa, 'as fichas' continuavam todas no alemão...

Mais tarde, numa disputa meramente regional, lá apareceu o candidato da formosa, sem alterar a correlação de forças existente... E aí, na lógica vigente de afirmação continental, teve que surgir 'alguém' das américas, para entreter os 'comentadores'...

3rd Lusofonia Games

Os Jogos da Lusofonia em Inglês

Quem se der ao trabalho de procurar informação sobre os III Jogos da Lusofonia que se vão hipoteticamente realizar em Goa no mês de Novembro (de 2 a 10) a parca informações que consegue obter é em inglês.

E, por inacreditável que possa parecer, quem  quiser confirmar o que afirmamos pode fazê-lo através do site do Comité Olímpico de Portugal (COP). Mas, para se saber alguma coisa sobre "The 3rd Lusofonia Games" é bom que se domine minimamente o inglês.

Eleições para a Presidência do COI

São Seis os Candidatos à Presidência do COI

A eleição que determinará quem vai ser o próximo presidente do Comité Olímpico Internacional (COI) está prevista para ocorrer a10 de setembro, durante a 125ª Sessão do Comité Olímpico Internacional (COI)  a realizar de 7 a 10 setembro em Buenos Aires. As candidaturas num total de seis foram apresentadas até ao passado dia 6 de junho. São elas por ordem alfabética:

1.  Ching-Kuo Wu (chinês de Taiwan),
2.  Denis Oswald (suiço),
3.  Richard Carrión (porto-riquenho),
4.  Ser Miang Ng (singapurense),
5.  Sergey Bubka (ucraniano),
6.  Thomas Bach (alemão).

Cada um dos candidatos, no próximo dia 4 de Julho em Lausana terá oportunidade de apresentar aos membros do COI o seu programa de candidatura.

Organizações Desportivas

A Governação das Organizações Desportivas

José Pinto Correia

 A análise de um sistema desportivo, que é complexo e composto por múltiplas organizações, pode fazer-se a vários níveis. Desde logo a um nível muito abrangente, o nível macro, onde imperam factores e dimensões que estão para além da capacidade de influência e determinação dos próprios agentes e organizações desportivas e que têm a ver com a economia, a cultura nacional, a evolução da demografia, os recursos naturais, o clima, por exemplo.

Aniversário da Morte de Francisco Lázaro

Laços de Sangue

Laurinda Leitão (*)

Francisco Lázaro, o grande maratonista do início do século XX, surgiu no meu imaginário em tenra idade, através dos meus avós maternos que, além de terem com o atleta laços de sangue, eram seus fãs incondicionais.

 Nas memórias longínquas da minha meninice, recordo os jantares de família, nos quais os feitos desportivos de Francisco Lázaro eram frequentemente evocados com orgulho e a sua nobreza de carácter era louvada com admiração.

Madrid (2020)

Valha-nos Nossa Senhora…

Na próxima 125ª Sessão (reunião dos 115 membros) do Comité Olímpico Internacional (COI) que se realizará de 7 a 10 setembro no Hotel Hilton em Buenos Aires, vai ser tomada uma decisão que poderá marcar de sobremaneira a vida em Portugal, durante os próximos anos. Estamo-nos a referir à decisão relativa à cidade que vai acolher a realização dos Jogos Olímpicos (JO) da XXXII Olimpíada que se realizarão em 2020.

Prémio Nobel da Paz

CoubertinPara o Comité Olímpico Internacional

O vencedor do Prémio Nobel da Paz de 2013 será anunciado em outubro. Existem 259 propostas. É tempo do Comité Olímpico Internacional (COI), que nos últimos quase cento e vinte anos contribuiu decididamente para a promoção da paz mundial, ser agraciado e, assim, fazer-se justiça à memória de Pierre de Coubertin.

Coubertin, primeiro como secretário e, a partir de 1896, como Presidente, com breves interrupções, foi o responsável direto pelo COI até ao ano de 1925, ano em que saiu, doente, falido e mal reconhecido pelo trabalho realizado. Prova disso são: a entrevista de sua mulher que disse não o perdoar por ter dado cabo do património da família ao serviço do COI; doente porque, em último recurso, teve de aceitar os favores do regime nazi a fim de cuidar do lastimoso estado de saúde em que se encontrava; e, finalmente, quanto à falta de reconhecimento, as duas tentativas falhadas no sentido de lhe ser atribuído o Prémio Nobel da Paz.

Considerações Sobre Desporto de Elite em Portugal

Porque não São as Modalidades Onde Mais se Gasta que Obtêm os Melhores Resultado?

Pedro Guedes de Carvalho

Há cerca de 9 meses foi entregue ao Secretário de Estado do Desporto e Juventude de Portugal – Dr. Alexandre Mestre – um documento preliminar ainda provisório e sujeito a validação posterior que relatava sumariamente o trabalho por nós realizado no âmbito de um Projeto internacional com designação SPLISS (Sports Policy factors Leading to International Sporting Success). O documento abordava os pilares 1 de Financiamento e 2 de Organização do Desporto de elite em Portugal, cuja informação nacional foi tratada pela equipa internacional que coordena o projeto e produziu um primeiro quadro de conclusões que foram entretanto validadas pelas instituições nacionais encarregadas da execução da política desportiva, ou seja, o IPDJ.

Antropologia, Património e Olimpismo

Olhar a Realidade no Tempo perante os Agentes

Pedro Manuel-Cardoso

O ensaio interroga a antropologia a partir da proposta que a Prof.ª Doutora Paula Godinho designou por “Para uma Antropologia Crítica: realidades, processos e agentes” (Módulo 2 do Seminário “Problemáticas da Antropologia” – UNL/FCSH, 2011). Ao não negligenciar a historicidade dos contactos e das trocas entre as várias escalas do espaço e do tempo pudemos perceber como a antropologia contemporânea se afastou criticamente do pressuposto de que existiam sociedades primitivas ideais, concebidas como totalidades homogéneas e coerentes, sem contradição e descontinuidade, narradas como se não pertencessem ao presente ou estivessem fora do tempo, isoladas da interpenetração global, vivendo em simbiose com o seu ambiente/contexto, ou apenas determinadas por forças instintivas de adaptação, ou por escolhas racionais sem a interferência do fator político.

Aniversário do Comité Olímpico de Portugal

30 de Abril de 1912 - 30 de Abril de 2013

Depois de 33 anos em que a verdade histórica foi derrotada, o conhecimento desprezado e as pessoas desrespeitadas é tempo do Presidente do Comité Olímpico de Portugal (COP) voltar a colocar a história da instituição no devido lugar.

Sendo José Manuel Constantino, o atual Presidente do COP,  Licenciado em Educação Física, tem obrigação de esclarecer a questão e ultrapassar mais de trinta anos de equívocos que a própria tutela governamental recentemente afastada fez questão de, erradamente e sem qualquer necessidade ( amenos que fosse por provocação), colocar no Diploma do Tribunal Arbitral do Desporto que  acabou por ser chumbado pelo Tribunal Constitucional.

Páginas

Subscreva Fórum Olímpico de Portugal RSS

Menu principal

by Dr. Radut