Portuguese English

Comité Olímpico Internacional

Reunião da Comissão Executiva

Berlim, 13, 14 de Agosto de 2009

A Comissão Executiva (CE) do Comité Olímpico Internacional (COI) aprovou a inclusão do boxe feminino para o programa dos Jogos em Londres em 2012.

Por proposta das respectivas Federações Internacionais, foram ainda introduzidas algumas alterações no programa de canoagem, pentatlo moderno e andebol.

A inclusão de uma prova de pares mistos no ténis é uma decisão que ficou para ser tomada de acordo com as garantias da Federação Internacional, na próxima reunião da Comissão Executiva que acontecerá em Dezembro.

Foram analisadas as propostas de inclusão no programa olímpico de sete modalidades desportivas. A saber: basebol, golfe, karaté, patins em linha, rugby, softball e squash.

A Comissão Executiva irá propor à 121ª sessão do plenário do COI, a acontecer a 2 de Outubro de 2009 em Copenhaga, a inclusão do golfe e do rugby no programa dos Jogos de 2016.

Os aspectos-chave que determinam a inclusão de uma modalidade desportiva no programa olímpico são os seguintes: Capacidade de apelar à participação dos mais jovens; Universalidade; Popularidade; Boa gestão; Respeito pelos atletas; Respeito pelos valores olímpicos.

 

Jacques Rogge

Jacques Rogge foi Reeleito

 Jacques Rogge, 67, nasceu em Ghent na Bélgica e é cirurgião ortopédico.
Tem uma longa e variada experiência no Movimento Olímpico. Participou na modalidade de vela nos Jogos Olímpicos do México (1968), de Munique (1972) e de Montreal (1976). Também foi membro da equipa de rugby nacional belga. Foi presidente do Comité Olímpico da Bélgica de 1989-1992 e presidente dos Comité Olímpico Europeu em 1989. É membro do COI desde 1991 e membro da Comissão Executiva desde 1998. Foi eleito pela primeira vez presidente do Comité Olímpico Internacional (COI) na 112 ª sessão realizada em Moscovo no ano de 2001. Substituiu o catalão António Samaranch. É o oitavo presidente do COI.
Agora, na 121ª sessão do COI realizada em Copenhaga,  Jacques Rogge foi reeleito para mais um mandato. E disse aos seus colegas:
“Temos muito que fazer”.

Educação Olímpica no Rio de Janeiro

otavio_tavares.jpgNotas Iniciais para o Desenvolvimento de um Modelo

Otávio Tavares
.
A educação é, historicamente falando, um dos pilares fundamentais do Movimento Olímpico. Faz parte de sua missão desde o tempo de seus fundadores, tendo ocupado lugar central nas preocupações de Pierre de Coubertin, seu principal ideólogo e formulador. Ainda que possa, e tenha sido efetivamente sujeita a intenso debate a respeito de suas características e de sua efetividade, a missão educacional deste Movimento permanece como fundamento e justificativa da realização dos Jogos Olímpicos, ocupando lugar permanente no discurso do Comitê Olímpico Internacional especialmente.
Otávio Tavares de nacionalidade brasileira é hoje uma referência no ambito dos estudos olímpicos não só no espaço dos países de língua portuguesa como até a nível internacional. Actualmente é Coordenador do Centro de Estudos em Sociologia das Práticas Corporais e Estudos Olímpicos da Universidade Federal do Espírito Santo (CESPCEO/UFES).

ONU & COI

bola de plástico

Desporto & Desenvolvimento Humano

O Secretário-geral das Nações Unidas Ban Ki-moon no discurso que proferiu na abertura do XIII Congresso Olímpico realizado de 3 a 5 de Outubro de 2009 em Copenhaga, disse:

“o desporto pode ser visto em qualquer parte do mundo. Viajei por países repletos de pobreza. Por comunidades em luta pela sobrevivência. Por lugares devastados pela guerra, onde toda a esperança parecia perdida. De repente, aparecia uma bola feita de sacos plásticos ou de jornais atados com um cordel. E víamos o desporto dar vida aos sonhos e às esperanças.”

E os 1.200 delegados presentes tiveram a oportunidade de perceber a força que o desporto pode ter quando Ban Ki-moon lhes mostrou a referida bola artesanal feita de sacos velhos de plástico atados com um cordel.

Os donos da bola eram crianças pobres dos bairros de Nairobi.

Aquela bola artesanal tinha sido substituída por bolas e equipamentos desportivos de qualidade, oferecidos pela ONU.

Depois de ter sido assinada por Rogge e Ban Ki-moon a bola foi levada para o Dubai, onde foi leiloada num evento de beneficência organizado pela princesa Haya Al Hussein. Acabou por ser vendida por 205 mil dólares que vão suportar programas de desenvolvimento do desporto para crianças e jovens na Palestina.

O novo dono da bola devolveu-a a fim de ser colocada no Museu Olímpico de Lausanne.

 

Invictus

Desporto & Política

Aqueles que insistem em afirmar que o desporto nada tem a ver com a política aí está o livro de John Carlin intitulado na tradução portuguesa "Invictus" da “Editorial Presença” . O filme baseado na obra já está em várias salas de cinema do país.
.
O título da versão inglesa é Playing the Enemy – “Nelson Mandela and the Game that Made a Nation”.
.
Na realidade, dizer que o desporto nada tem a ver com a política, perspectiva cunhada por Avery Brundage (1887-1975), que exerceu a liderança do Comité Olímpico Internacional (COI) de 1952 a 1972, provocou ao longo dos últimos sessenta anos não só enormes prejuízos ao desporto como à própria política naquilo a que esta tem de mais nobre.
.
Recomendamos a leitura do livro em questão não só pela compreensão daquilo que o desporto pode desempenhar na construção da identidade nacional, como pelo extraordinário exemplo de Nelson Mandela um dos grandes líderes mundiais de todos os tempos.

Estudos Olímpicos - Simpósio - Maputo 2010

Steinhilber

Países de Língua Portuguesa

No âmbito dos trabalhos do XIII Congresso de Ciências do Desporto e Educação Física dos Países de Língua Portuguesa realizou-se um simpósio no domínio dos Estudos Olímpicos. Este simposio ficou-se a dever ao entusiasmo do Prof. Alberto Reppold da Universidade  do Rio Grande do Sul - Brasil que liderou o processo e ao empenho do Prof. António Prista da Universidade Pedagógica - Moçambique que foi o responsável pela realização do Congresso.

Das várias intervenções que vamos passar a divulgar, destacamos a do Prof Jorge Steinhilber que agora com a devida vénia passamos a apresentar.

No Brasil tivemos um grande avanço a partir da promulgação da Constituição de 1998 que estabelece a prática esportiva como direito de cada cidadão. Art. 217 “É dever do estado fomentar práticas desportivas formais e não formais como direito de cada um... Identifico que no Brasil tivemos um grande avanço a partir da promulgação da Constituição de 1998 que estabelece a prática esportiva como direito de cada cidadão. Art. 217 “É dever do estado fomentar práticas desportivas formais e não formais como direito de cada um...

Desde que me envolvi com a AOB tenho me deparado com algumas interrogações e incongruências.

Os discursos, os estudos, os artigos, teses, livros e outros abordam a questão dos valores do esporte, do olimpismo, do esporte como fator de educação acompanhando a proposta de Barão de Coubertin, mas e a prática, e as ações e no concreto?

 

Valores Olímpicos

Otávio Tavares

Valores Olímpicos no Séc. XXI

Otávio Tavares

Toda mudança gera, freqüentemente, expectativas e reflexões. Isto é particularmente verdadeiro quando pensamos nos ciclos de tempo. Ao contrário do processo social, que se realiza de maneira longa e quase sempre intangível, a organização humana da contagem dos ciclos do tempo nos fornece um referencial concreto e regular para pensarmos a própria existência. Assim, a passagem dos anos, décadas, séculos e milênios nos sugere verdadeiramente o encerramento de um período e início de um novo. O sentido simbólico da mudança de calendário é forte o bastante para que pensemos que realmente um período da história acabou e outro está para começar. 

Marc Hodler

Marc Hodler

A Estória de um Membro do COI

Gustavo Pires 

Todos os homens têm a sua pequena estória para contar, geralmente insignificante, enigmática e pessoalíssima. Marc Hodler (1918-2006) também tinha a sua mas não era aquela que, seguramente, foi a estória mais importante da sua vida.

O suiço Marc Hodler ficou para a história do Movimento Olímpico internacional como o homem que em 1998 denunciou a corrupção relativa aos processos de candidatura à organização do Jogos Olímpicos, concretamente quanto à candidatura de Salt Lake City (2002). Ao fazê-lo, desencadeou uma das maiores crises de sempre no Comité Olímpico Internacional (COI) uma organização que ao longo da sua história passou por enormes crises e bem complicadas.

Cem Anos

Comité Olímpico de Portugal

Do Sr. Prof. João Marreiros recebemos a informação que agora se divulga. O FOP agradece. Aqui ficam mais dados para os cem anos do Comité Olímpico de Portugal.

Ao efectuarmos os nossos trabalhos de pesquisa sobre a data da fundação do Comité Olímpico Português encontrámos na Internet um blogue sobre o Remo.
Com a devida vénia a Carlos Henriques que pretende publicar no seu blogue actos desconhecidos sobre a história dos desportos náuticos, pretendendo ainda colocar a sua beleza em destaque através do seguinte endereço: 

 
Os documentos do Comité Olímpico Português são alusivos à trágica morte do Maratonista Francisco lázaro nos Jogos Olímpicos que se realizaram no ano de 1912, na cidade de Estocolmo.

Este documento timbrado, do Comité Olympico Português, menciona o valor com que subscreveu o Clube Naval de Lisboa, para o mausoléu de Francisco Lázaro. Curioso é a palavra Olympico estar escrita com y e o carimbo azul ser da Sociedade Promotora de Educação Physica Nacional, cuja sede funcionava no Centro Nacional de Esgrima, no Largo do Picadeiro em Lisboa, nas cercanias do Teatro S. Carlos.

 

História dos Desportos Náuticos

Remo

http://remo-historia.blogspot.com/

Carlos Henriques

Treinador desde 1985 (CFP, CNL, ANL, CNOCA); Fundador da ARL; Fundador da Antremo; Director da FPR; Membro da Comissão Executiva do Comité Paralímpico; ex Presidente do CNL.

O Blogue do Sr. Carlos Henriques é de visita obrigatória para aqueles que se interessam pela história do desporto nacional. 

Páginas

Subscreva Fórum Olímpico de Portugal RSS

Menu principal