Portuguese English

Carvalho, Alfredo Melo de

Alfredo Melo de Carvalho

Eugénio Costa Ruivo
.
A publicação do trabalho de retrospectiva sobre a Vida e Obra do professor de Educação Física Alfredo Melo de Carvalho, corresponde ao desafio e à necessidade para as gerações actuais de estudantes do curso de Educação Física, professores, dirigentes de clubes desportivos, autarcas de juntas e de câmaras, atletas e pessoas que realizam um treino de manutenção regular da actividade física de lazer, desporto no trabalho, e de melhoramento da sua condição física de deixar matéria de estudo e de análise.
 
Tem também como objectivo o questionamento, a reflexão da concepção daquilo que nós defendemos relativamente à Democratização Desportiva. Entende-se que o Estado, Escola, o Poder Local, a Saúde, os Clubes desportivos… têm uma responsabilidade acrescida em termos da sua articulação no processo.
 
Os Exemplos da experiência da DGD de 1974-1976 (explosão desportiva, com a criação de milhares de núcleos de praticantes, da formação de animadores e de monitores, do trabalho conjugado com o MFA na (Operação Maio-Nordeste), Serviço Cívico Estudantil, do apoio à formação dos professores do 1º Ciclo; da descentralização em Regiões e responsabilidades para as autarquias no seu papel no quadro da lei das finanças locais no desenvolvimento desportivo.
 
A saída do Dec-lei 675/75 de 3 de Dez que veio dignificar e equiparar a profissão de professor de Educação Física às restantes áreas disciplinares foi uma conquista de todos os profissionais após o 25 Abril.
 
As experiências ocorridas nas autarquias por onde Melo de Carvalho tem deixado a sua marca, é também um dos objectivos pela sua inovação e dar a conhecer como exemplos de Oeiras (Jogos de Barcarena, Corrida do Tejo), Évora (Olimpíadas do distrito de Évora), do Barreiro (Carta Desportiva), Sesimbra (Festival do Mar), Lisboa (Jogos de Lisboa…) apoio ao Movimento Associativo, Seixal (Redefinição e alargamento do trabalho das Seixalíadas com 30 mil participantes), criação do Centro de Educação Física da Armada (CEFA).
 
Da autoria de programas Nacionais de Educação Física (PNEF) antes e depois do 25 Abril (da matriz dos actuais programas serem também da sua inspiração. Programas que já defendia nos anos 60 do séc. XX da sua verticalização entre o ensino Primário e Preparatório, hoje articulados do 1º Ciclo ao secundário.
.
O Desporto para Trabalhadores, “Corrida Correr Com O Racismo”, dos 1ºs planos de desenvolvimento das modalidades, do 1º Plano de Preparação Olímpica (onde Moniz Pereira veio a beneficiar com a criação de condições objectivas de apoio a atletas de origem trabalhadora pudessem ter condições para treinar, onde a vitória de Carlos Lopes foi exemplo…).
 
Hoje retoma-se em muitos aspectos aquilo que consubstanciou durante o fascismo que foi cultivar o chamado Desporto Espectáculo (que obviamente tem o seu espaço) mas através da promoção do desporto de bancada vulgo “Império dos Sentados” e em que só o chamado desporto de excelência é no essencial transmitido pelos média é apoiado. Portugal traduz-se por ser o País dos 27 da União Europeia aquele que detêm os maiores índices de inactividade física com todas as consequências que daí advêm. 
 
Neste contexto, também a posição de Alfredo Melo Carvalho está inserida no livro sobre as chamadas Actividades de Enriquecimento Curricular (AEC), criadas por despacho do Gov. Sócrates (2006), (ME - M Lurdes Rodrigues) e que são designadas de Actividades Físicas Desportivas (AFD) dadas no 1º ciclo (não obrigatórias) como é a Educação Física (obrigatório) que ao invés de ser um complemento da Educação Física está a substituir uma actividade obrigatória pondo em causa todo o processo de maturação e desenvolvimento da criança.
 
Estes são apenas alguns elementos que são aprofundados no livro de uma forma organizada e estruturada em diferentes dimensões, e que procuram traduzir as nossas e de outras estruturas sociais, cívicas e políticas as preocupações no quadro da formação e desenvolvimento humanista que o desporto poderá ter na formação integral da pessoa.  
 
Por isso, chamo a atenção que o lançamento desta publicação pela ULHT destes fragmentos procuram sobretudo salvaguardar a memória colectiva, pois o presente e o futuro não se constrói sem o conhecimento do passado.
 
Este trabalho funda-se no espírito do artigo 79º da CRP corolário e expressão da Democratização Desportiva (Acessos) ocorrida entre 1974-1976, e consubstanciada sempre nos projectos de intervenção como foi o dos Jogos de Lisboa e agora o das Seixalíadas.
 
Ruivo, Eugénio Costa (2010). Alfredo Melo de Carvalho - Vida e Obra - Contributo para a História da Educação Física e do Desporto em Portugal. Lisboa: Edições Universitárias Lusófonas.
.

Menu principal

Biografias | by Dr. Radut